SIGA NOSSO BLOG NO TWITTER

CONTATO: narotadasnoticias@hotmail.com
SEJAM BEM VINDO....

sábado, 19 de janeiro de 2019

Cabeleireira entra em pânico após vaca invadir salão em Brejo Santo

Uma vaca entrou em um salão de beleza do município de Brejo Santo na manhã desta sexta-feira, dia 18. Por volta das 8h30min o animal passou por uma das entradas do salão e começou a quebrar os objetos, como relatou a proprietária do Studio Tônia Silva. 

Ela disse que estava preparando um aplique quando notou a presença da vaca. “Comecei a gritar em pânico e pulei por cima dela e parei já na calçada. Não sei como foi isso. Estava muito assustada”, revela.

A vaca entrou por uma porta que é o acesso entre a casa e o salão. As duas portas estavam abertas. Tônia explicou ainda que foi necessário chamar uma pessoa para retirar a porta de vidro, acesso principal, para que a vaca saísse.

Fonte: Site Miséria

Conheça as cearenses que tiraram nota mil na redação do Enem

As estudantes Marília Oliveira, de 19 anos, e Lívia Taumaturgo, 18, alcançaram nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Como receita para o bom desempenho, as cearenses apontaram a dedicação, foco e bastante leitura. 
Pelo segundo ano consecutivo, Marília conseguiu tirar mil na disciplina. Ela concluiu o ensino médio no Colégio Luíza Távora, no bairro Conjunto Ceará. "Fiquei bastante feliz. Você tirar (nota máxima) uma vez a probabilidade é pouca, imagina duas vezes", contou a jovem, acrescentando que tinha uma intensa rotina de estudos.

Ela já havia sido aprovada no curso de História da Universidade Estadual do Ceará (Uece). No entanto, seu grande sonho é ser aprovada em Direito. "Desde o meu primeiro ano do ensino médio, sempre me identifiquei bastante com o curso", ressalta a discente.

Como preparação para a prova, a estudante, que concluiu o ensino médio em 2016, estudou dois anos no pré-vestibular do Tiradentes. Como dicas para quem deseja tirar uma boa nota na redação, ela diz que é necessário ler muito, compreender a estrutura do texto dissertativo argumentativo e expandir os horizontes.
Já Lívia Taumaturgo confessou ficar bem surpresa. "Não esperava tirar essa nota, visto que o tema foi considerado, pela maioria das pessoas, bem complexo". A estudante concluiu o ensino médio em 2017, no Colégio Ari de Sá Cavalcante. Ela disse que, desde criança, sonha cursar Medicina. Sua tia, que é médica, serve como inspiração para a jovem.

Lívia contou que, por dia, estudava cerca de cinco horas. Por semana, ela dedicava aproximadamente cinco horas para a redação. "Buscava sempre estudar sobre os temas antes de desenvolver cada texto, também procurava prestar bastante atenção", completa a jovem.
Além disso, a estudante ressalta que foi importante utilizar fontes de informação extra como jornais, notícias, leis e citações. A discente diz que é necessário muita disciplina, traçar metas e cumpri-las durante o ano, para que seja possível tirar uma boa nota.

“É de suma importância a manutenção da calma na hora da prova, pois manter o psicológico estável é imprescindível. Se você estudar, independentemente de qual for o tema da redação, conseguirá escrever um excelente texto”, aponta a jovem como dicas para obter um bom desempenho.

Fonte: Opovo Online

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Município onde circulam duas listas da morte não tem perícia do Instituto de Criminalística

O promotor Gustavo Dias, da Comarca de Chã Grande, município da Zona da Mata onde circulam duas listas com nomes de pessoas marcadas para morrer, disse, nesta manhã, que a localidade não dispõe de perícia do Instituto de Criminalística (IC) em local de crime e nem sequer de remoção dos corpos por parte do Instituto de Medicina Legal (IML). Diante da falta de perícias e diligências, o promotor afirmou que está devolvendo alguns dos inquéritos de homicídios para que as mesmas sejam providenciadas.

"Em muitos casos, sinto falta de diligências que podem ser adotadas e perícias que devem ser realizadas. Por isso estou devolvendo os inquéritos para que sejam providenciadas", disse Dias. A remoção dos corpos, segundo ele, tem sido feita por casas funerárias após liberação dos corpos pela Polícia Civil.

Nesta manhã, o promotor reuniu-se com o delegado João Gaspar, que responde interinamente pelo município, para definir ações conjuntas entre os dois órgãos e assim solucionar os recentes homicídios na região. Ele descartou, no entanto, a ação de um grupo de extermínio. “É importante dizer que os homicídios entre si não estão todos relacionados. Alguns casos foram esclarecidos e as autorias identificadas são distintas e não se relacionam, inclusive a motivação dos delitos. O ponto em comum é que as pessoas cujos nomes estão na lista são envolvidas com a criminalidade”, disse o promotor.

Ainda segundo Dias, a última lista foi feita por uma pessoa que teve seu nome divulgado na primeira. “Por vingança, a pessoa quis entregar outros criminosos fazendo a segunda lista”, acrescentou o promotor.

Dias chamou a atenção para a situação do pouco efetivo do município. “O estado precisa olhar com cuidado essa questão porque o número de agentes da Civil e PMs é insuficiente para a demanda, o que acaba prejudicando a repressão ao crime e as investigações”, pontuou. Segundo o delegado João Gaspar, a Delegacia de Chã Grande dispõe de cinco agentes, sendo quatro para a permanência e apenas um para investigar.

As listas da morte começaram a circular em 2016, de forma inusitada, quando a primeira delas foi colada na parede do cemitério da cidade. No ano passado, em março, uma nova lista foi divulgada, dessa vez em uma escola pública abandonada no centro do município. Ambas foram recolhidas pela polícia.

O assunto voltou à tona porque um jovem com 17 anos citado na segunda lista, José Moisés Avelino, foi assassinado na tarde do último sábado por homens que ocupavam um carro branco. Na semana passada, outra pessoa da mesma lista, um homem com 18 anos, também foi baleado no pescoço e no ombro, mas sobreviveu e foi atendido no Hospital da Restauração (HR). Momentos antes do atentado, ele conversava com Moisés em uma área descampada próxima ao centro da cidade. 

O autor da segunda lista já foi identificado e oito pessoas das duas listas já foram assassinadas, inclusive esse tal autor, de acordo com o MPPE. “Quando a lista foi divulgada, havia três nomes de pessoas que já tinham sido assassinadas. Algumas morreram fora de Chã Grande, uma delas em envolvimento em um assalto, outras foram embora da cidade e duas estão presas”, informou Dias.

A segunda lista tem ao todo 14 nomes ou apelidos escritos a mão, com caneta, além das frases: “Vai tudo morar com o satanás” e “Ainda vem mais outra lista”. Ao lado dos nomes também foram desenhadas cruzes. A primeira lista traz 19 nomes, também escritos à mão, o número 666 – conhecido como o número da besta - e a frase: “O cão tá (sic) esperando. Vai tudinho pro (sic) inferno”.

Um áudio que circula pelo Whats App entre a população de Chã Grande desde o ano passado traz uma gravação com uma voz masculina descrevendo ameaças contra as pessoas da lista. “Tô (sic) voltando. Agora eu quero a raça safada de Lajedo Grande. Quero pegar aquela raça safada que tá (sic) fazendo mal ao povo”, diz a voz anônima em um dos trechos da gravação. Em seguida é ouvida uma risada e sons de tiros.

Confira a resposta da Secretaria de Defesa Social na íntegra:  
"A SDS informa que a Polícia Científica de Pernambuco tem descentralizado suas unidades, fortalecendo as perícias criminais por todo o Estado. Além das unidades já existentes no Recife, em Caruaru e Petrolina, em 2018 foram inauguradas as regionais de Nazaré da Mata, Garanhuns, Arcoverde, Ouricuri e Afogados da Ingazeira. A próxima a ser inaugurada, ainda neste 1º semestre de 2019, é a de Palmares, na Mata Sul, que cobre 25 municípios da região, entre eles Chã Grande. 

Entre os serviços oferecidos pelos Complexos Regionais de Polícia Científica estão as perícias em locais de crime, balística, identificação de fraudes em veículos, laboratório de drogas e informática forenses, que ajudam a conferir mais agilidade e qualidade às investigações criminais. O IML, por sua vez, fará exames em vivos, a exemplo do traumatológico e do sexológico. O IITB oferecerá os serviços de emissão de carteiras de identidade, identificação criminal e necropapiloscopia.

Ao todo, o Complexo de Polícia Científica de Palmares vai atender os moradores de Amaraji, Chã de Alegria, Escada, Glória do Goitá, Pombos, Primavera, Vitória de Santo Antão, Chã Grande, Gravatá, Água preta, Barreiros, Belém de Maria, Catende, Cortês, Gameleira, Jaqueira, Joaquim Nabuco, Maraial, Palmares, Quipapá, Ribeirão, Rio formoso, São Benedito do Sul, São José da Coroa Grande e Sirinhaém.

Importante ressaltar que os casos de CVLI em Chã Grande cairam 40%, saindo de 10 ocorrências em 2017 para 6 casos em 2018". 

Fonte:  Diário de Pernambuco

Morte da Beata Maria de Araújo completa 105 anos

Após 20 anos enclausurada numa casa, Maria Magdalena do Espírito Santo de Araújo, a beata Maria de Araújo, morreu no dia 17 de janeiro de 1914, em Juazeiro do Norte. Exatos 105 anos depois, ninguém sabe onde estão seus restos mortais, desde que seu túmulo foi violado e destruído na Capela do Perpétuo Socorro, em 1930. Responsável pelo início das romarias, sua reclusão foi imposição da Igreja Católica para que a mulher e seus supostos milagres fossem esquecidos. Foi nela que a hóstia virou sangue, depois de comungada pelo Padre Cícero, no popular "Milagre de Juazeiro". Os panos manchados foram os primeiros objetos de adoração.

Uma praça em frente a Basílica de Nossa Senhora das Dores com um busto erguido é um dos poucos lugares que carrega o nome da beata Maria de Araújo, em Juazeiro do Norte. Além disso, a mulher está presente no nome de uma rua, no bairro João Cabral, como estátua no Museu Vivo do Padre Cícero, no Horto, no vitral e em um jazigo vazio, na Capela do Socorro. Ao contrário do "Padrinho", que tem estátuas de gesso, madeira e até de borracha, por todos os lados, sendo comercializadas, a protagonista do milagre sequer é reconhecida pelos romeiros.

Tudo isso é muito pouco para quem pode ter sido responsável pelo início do fenômeno das peregrinações e, consequentemente, do crescimento e desenvolvimento da cidade de cerca de 270 mil habitantes. "Não foi suficiente sumir com a memória", resume a historiadora Edianne Nobre para explicar o episódio do roubo dos restos mortais de Maria de Araújo. "É simbólico", completa. Após sua morte, muitas pessoas ainda visitavam o túmulo da Beata deixando flores e pedindo graças.

Para Edianne, que pesquisou durante 12 anos a vida de Maria de Araújo, o Padre Cícero não "invisibilizou" a beata, mas foi toda uma estratégia da Igreja para que o episódio fosse esquecido. No fim do século XIX, o catolicismo perdia muitos fiéis para o protestantismo e foi necessário aumentar seus representantes oficiais. "A Igreja não está disponível para assumir um novo culto popular. Foi o próprio contexto histórico", acredita. Outras mulheres, em várias partes do mundo e de classe social diferente, também foram condenadas pelo Vaticano por seus milagres. Deveriam existir, apenas, as romarias oficiais.

A Beata transformou a hóstia em sangue, pela primeira vez, em 1886. No entanto, já havia manifestado estigmas, tinha visões, realizava profecias e viajava em espírito para salvar as almas do purgatório. Muitos destes milagres foram creditados pela oralidade popular ao Padre Cícero. Até 1889, ela chegou a transformar o "Corpo de Cristo" em sangue por, pelo menos, 82 vezes. Cinco anos depois, após vários padres analisarem seu caso, ela foi condenada à reclusão em 1894. Seu nome sequer podia ser mencionado.

Nem ela, nem o próprio Padre Cícero admitiram que os fenômenos foram "embustes" como a Igreja exigia. O sacerdote teve suas ordens suspensas e sua reconciliação com o Vaticano só aconteceu há três anos, após carta escrita pelo Papa Francisco. Quanto a Maria de Araújo, ela nunca voltou a ser objeto de culto popular. Os próprios romeiros a confundem com a Beata Mocinha, que trabalhava como governanta na casa do "padrinho". "Não há possibilidade de ela se tornar santa", admite a historiadora Edianne Nobre.

Fonte: Diário do Nordeste

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Por que não se deve atear fogo em lixões?

Ultimamente, o lixão de Barbalha vem sendo alvo constante de reclamações da população por conta da queima dos resíduos sólidos no local, que forma uma nuvem de fumaça preta, invadindo a cidade. Já o lixão de Juazeiro do Norte também foi alvo de reclamação de moradores no ano passado.

No caso de Barbalha, o lixão não respeita a distância mínima de 2.000 metros da cidade e 20 metros da faixa da rodovia, estando a apenas 630 metros da primeira residência do município.

A queima do lixo causa graves problemas à saúde humana, ao meio ambiente e à camada de ozônio. A “fumaça preta”, na realidade, não é uma fumaça, e sim uma concentração muito tóxica de vários gases, segundo o químico industrial Antônio Sávio Aires. Entre esses gases está o temido dióxido de carbono, o CO2.

Das substâncias liberadas, algumas são altamente cancerígenas, segundo Sávio Aires, e se acumulam na cadeia alimentar (quando comemos alguma planta ou animal contaminado, também nos contaminamos) e no organismo humano e podem, futuramente, gerar várias tipos de câncer, como o de pele, tireóide, fígado e pâncreas.

O químico industrial aponta que a queima dos resíduos só deve ser realizada em equipamentos específicos, que trabalhem em temperaturas que variam de 800°C e 1.200°C e legalizados pelos órgãos ambientais, de acordo com a Resolução do CONAMA nº 316/2002.

O Portal Badalo entrou em contato com o Secretário de Infraestrutura de Barbalha, Roberto Wagner, que afirmou que as queimadas acontecem esporadicamente, de forma espontânea ou criminosa, e que para evitá-las é feito, mensalmente, um recobrimento do lixo com material argiloso. Ainda segundo ele, em dois meses será instalada uma Usina de Beneficiamento de Resíduos Sólidos, que irá transformar o lixo em combustível e fertilizantes agrícolas. Conforme a Prefeitura Municipal, a usina acabará com o lixão e a ideia de um aterro, e tem investimento de R$ 32 milhões para construção.

Até o fechamento da matéria, a Prefeitura de Juazeiro do Norte não se pronunciou.



Antônio Sávio Aires Furtado – Químico Industrial
CRQ 10.200.152 – 10ª Região

Fonte: Site Badalo

Quem 'apagou' Lampião? Historiador revela verdadeiro assassino do cangaceiro

Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, morreu aos 40 anos, numa emboscada na Grota de Angico, em Sergipe, em julho de 1938. Apesar de, na época, o fato ter estampado as capas das principais revistas e jornais brasileiros e ter virado notícia até fora do país, algumas lacunas permaneceram. A principal delas: quem apertou o gatilho que deu fim à vida de uma das figuras mais temidas e admiradas da história brasileira?.

A versão oficial aponta como assassino o oficial Antonio Honorato da Silva, guarda-costas do aspirante Francisco Ferreira. Mas a história não é bem essa. Após quatro décadas de pesquisa, o historiador Frederico Pernambucano de Mello, biógrafo de Lampião e considerado o maior especialista em cangaço no Brasil, revela que a identidade do carrasco do cangaceiro é outra em 'Apagando o Lampião – Vida e morte do Rei do Cangaço'. O livro acaba de sair pela Global Editora.

Lampião foi morto com apenas um tiro, às 5h de 28 de julho de 1938. Desde os primórdios de suas pesquisas sobre o cangaço, e, principalmente, após ler uma entrevista concedida por Antonio Honorato da Silva, o suposto assassino, ao jornalista Melchiades Rocha, Frederico Pernambucano de Mello tinha uma pulga atrás da orelha. “Nesse relato de Honorato, encontrei algumas inconsistências. Ele afirmava que Lampião tinha um pavor enorme no rosto quando atirou, que deu o primeiro tiro e acompanhou a queda. Coisas que não faziam muito sentido”, diz.

Foi a partir de 1970 que o mistério começou a se esclarecer. O historiador recebeu uma informação do coronel Audálio Tenório de Albuquerque dizendo que ouviu seu parente e amigo próximo, o coronel José Lucena de Albuquerque Maranhão (o responsável intelectual pela morte do Rei do Cangaço, já que comandava o batalhão encarregado da caça a Lampião em Angicos), que o verdadeiro assassino era um dos guarda-costas do aspirante Francisco Ferreira de Mello, mas não Honorato, como a imprensa havia divulgado.

“Eu achava que ele tinha uns oito, dez guarda-costas, por isso desanimei. Mas, em 1978, ao ter contato com uma das irmãs do aspirante, ela me disse que ele tinha apenas dois. Um era velho, o Honorato, e o outro era mais novo e ficou conhecido como Santo”, diz o historiador.

Frederico conseguiu encontrar o cabo que se chamava Sebastião Vieira Sandes. Durante muito tempo, tentou, em vão, arrancar alguma informação. Só no fim de 2003, quando se descobriu portador de uma doença terminal, Sandes procurou o biógrafo. Decidiu que havia segredos que ele não queria levar para o túmulo. “Fiquei até emocionado. Fazia mais de 20 anos que estava atrás dele. Minha mulher achou, na ocasião, que era uma emboscada. Ele me deu um relato precioso, que gravei durante quatro dias. Morreu um mês depois”, lembra o historiador.

Segundo Sebastião Sandes, Lampião morreu com um tiro só de fuzil, disparado a oito metros e que não estava em combate. A bala bateu na lâmina do punhal do cangaceiro e atingiu sua região umbilical esquerda. “Lampião foi surpreendido, pois esperava ser atacado por terra e não pelo rio, como aconteceu. Sandes me disse que o silêncio era de uma catedral, porque era começo da manhã. Havia chovido e até os animais estavam recolhidos. A maneira como atirou, de cima para baixo, ao contrário do que afirmava Honorato, foi comprovada pela perícia feita recentemente pelo perito criminal federal Eduardo Makoto Sato, do Instituto Nacional de Criminalística. O punhal de Lampião, que foi atingido, nunca havia sido analisado”, afirma.

O mais curioso é que, no passado, Sandes chegou a ser amigo e querido por Lampião e Maria Bonita. Eles o chamavam de Galeguinho, por ser bem claro. “Sandes foi coiteiro (pessoas que ajudavam os cangaceiros, dando-lhes abrigo, comida e informações) de Lampião na região de Alagoas e companheiro de costura dele. Lampião era um exímio costureiro de couro, de pano, bordava. Quando Sandes me deu o depoimento, ele estava, inclusive, com o olhar baixo, até um pouco emotivo, porque eles foram próximos”, diz.

Ele não quis assumir a autoria do crime para evitar represálias. Quando matou Lampião, Sandes estava com apenas 22 anos. “Internamente, sabiam que foi ele, que chegou a ser promovido. Porém, ele foi aconselhado a não se revelar, porque Lampião era muito poderoso. Tanto que Honorato apareceu morto, em 1968, logo após estampar uma edição da revista Fatos & Fotos gabando-se de seu feito. Era a chamada vingança de Lampião.”

MINAS 
Além da revelação sobre o assassino de Lampião, o livro de Pernambucano traz também um fato pouco conhecido sobre o Rei do Cangaço. Lampião tomaria o rumo de Minas Gerais, caso não tivesse sido surpreendido em Sergipe. “Nós vamos roubar no estado de Minas Gerais. O negócio lá vai ser pesado. Quem quiser ir, vai. Quem não quiser, fica. Estou fechando minhas contas por aqui e cuidando de ajuntar cem homens.” Foram essas as palavras de Lampião a Manoel Félix, um dos seus coiteiros.

“Minas foi um sonho perdido de Lampião e Maria Bonita. Não tenho dúvidas. Antes dele, outros cangaceiros, que já não tinham mais espaço no Nordeste, pois levavam bala em todo canto, tinham encontrado no território mineiro a solução”, explica o historiador.

Um deles foi Sinhô Pereira, o mais reconhecido professor de cangaço do jovem Virgulino. Após rodar por vários lugares, como Goiás, ele acabou aportando no município de Santo Antônio de Patos, hoje Patos de Minas, no Noroeste do estado. Por aqui, o forasteiro adotou vários nomes e acabou tendo como protetor um dos chefes políticos mais poderosos da região, Farnese Dias Maciel, irmão do governador Olegário Maciel.

“Aproveitando a vastidão do Oeste mineiro e as dificuldades de comunicação na região, que não só prejudicavam o desenvolvimento econômico, como facilitavam se manter escondido, Sinhô manda uma carta para Lampião, chamando-o para vir a Minas. Não dá para precisar quando foi, mas, provavelmente, pelos idos de 1928”, afirma o historiador, que teve como uma de suas principais fontes a escritora Risoleta Maciel Brandão, filha de Farnese e já falecida.

O interesse de Farnese em receber Lampião e seu bando tinha relação com a briga política que os Maciel travavam com outro clã importante da região, os Borges. Segundo Frederico Pernambucano, a carta animou Lampião, apesar de ele não ter respondido. Como boa parte do sertão nordestino estava se fechando para ele, a solução temporária foi se embrenhar pela Bahia e Sergipe. “Ele conseguiu ficar ali mais uns 10 anos. Mas, como o cerco foi apertando, ele vislumbrava Minas Gerais. Tanto que começou a juntar um montante absurdo de dinheiro, a cobrar e a resgatar o que estavam lhe devendo. Tinha um arsenal de munição gigantesca e estava atrás até de uma metralhadora de mão, que provavelmente levaria para Minas. Ele estava indo para a guerra”, afirma.

O pesquisador diz que Virgulino Ferreira chegou a comentar com vários cangaceiros e coiteiros sobre seu  desejo de seguir para Minas Gerais. Tanto é que, após a sua morte, alguns vieram para cá, como Moreno e a mulher, Durvalina, a Durvinha. “Moreno morreu em Contagem, em 2010, com 101 anos. Assim como Sinhô, ele é a prova de que o sonho mineiro de Lampião não passou de miragem. Não tenho a pretensão de esgotar o assunto. Longe disso. Quem sabe essa história do cangaço com Minas não renda e seja aprimorada e aprofundada por historiadores locais?”, diz.

Frederico Pernambucano de Mello acha que os avanços de seu livro são um incentivo para jovens pesquisadores. “Uma pesquisa bem conduzida e concluída proporciona todos os tipos de sentimento. Emoção, apreensão, recompensa. Mais do que empenho e entrega, tem que ter fé.”

Apagando o Lampião – Vida e morte do Rei do Cangaço
Frederico Pernambucano de Mello
Global Editora 
336 págs. 
sugerido: R$ 55

Por: Ana Clara Brant -

Por: Estado de Minas - Associados
Via Diário de Pernambuco

Entenda a diferença entre posse e porte de armas

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira, 15, decreto que facilita registro, posse e venda de armas de fogo e de munição. Entre as mudanças, foi ampliado o prazo de validade do registro de armas de cinco para dez anos, tanto para civis como para militares. Também não será mais preciso comprovar a “necessidade efetiva” para a obtenção da posse: o interessado precisará apenas argumentar que mora em cidade violenta, em área rural ou que é agente de segurança, para satisfazer o requisito. Saiba mais sobre as regras para as armas de fogo de acordo com o Estatuto do Desarmamento.

O que é posse de arma?

Após obtenção de certificado de registro, a pessoa pode manter em casa ou em seu local de trabalho, desde que seja o responsável legal pelo estabelecimento. Não é permitido sair com a arma. O interessado deve ter mais de 25 anos, comprovar que tem ocupação lícita e residência certa. Também precisa de comprovação de capacidade técnica e de aptidão psicológica para o manuseio de arma de fogo.

E qual a diferença para o porte?

De acordo com a Lei nº 10.826, o porte de armas é permitido aos agentes de segurança pública, integrantes das Forças Armadas, policiais, agentes de inteligência e agentes de segurança privada. Civis não podem ter porte de arma, exceto se, comprovadamente, tiver a vida ameaçada.

Qual a pena para posse irregular de arma de fogo de uso permitido?

A pena é de um a três anos de detenção e multa.

Qual a pena para quem tem posse de arma e deixa de impedir que menores de 18 anos ou pessoas deficientes tenha acesso à arma?

É de um a dois anos de detenção e multa.

O que deve ser feito em casos de perda, roubo ou furto de arma ou munição?

Deve-se registrar ocorrência policial e comunicar o fato à Polícia Federal nas primeiras 24 horas após o ocorrido.

Em quais situações o porte pode ser cassado?

Caso o portador ande armado em estado de embriaguez, sob efeito de drogas ou remédios que afetem a capacidade intelectual ou motora.

O que muda com a edição do decreto?

O decreto diz respeito apenas à posse de armas e pretende deixar mais objetiva a análise pela da Polícia Federal do requerimento para concessão de autorização para compra de arma de fogo. Também amplia o prazo para renovação do certificado de registro. Pelo decreto, considera-se a efetiva necessidade para aquisição de armas nas seguintes hipóteses: morar em cidade ou Estado onde a taxa de homicídios seja superior a 10 para cada 100 mil habitantes; morar em áreas rurais; ser proprietário de estabelecimentos comerciais ou industriais; militares, incluídos os inativos; ser agente público que exerce funções da área de segurança pública, administração penitenciária, integrantes do sistema socioeducativo lotados nas unidades de internação, da Agência Brasileira de Inteligência e no exercício do poder de polícia administrativa e correcional em caráter permanente; ser colecionador, atirador e caçador, devidamente registrado no Exército.

Quantas armas posso ter registradas em meu nome?

Não existe previsão legal estabelecendo limitação de quantidade de armas a serem registradas por indivíduo. O decreto presidencial considera presente a efetiva necessidade para algumas situações, limitada à aquisição de até quatro armas. Mas caso estes indivíduos tenham interesse em adquirir mais armas, deverão comprovar a efetiva necessidade.

Se eu tiver a necessidade de mais de quatro armas registradas, posso conseguir?

Sim, desde que demonstrada a necessidade em cada caso.

As pessoas poderão ter em casa fuzis, metralhadoras ou armas automáticas?

Não, o decreto somente facilita a posse de armas de uso permitido e não inclui armas de uso restrito, como armas automáticas ou fuzis.

Quem perdeu o prazo de anos anteriores para regularização das suas armas poderá ser anistiado?

O decreto não prevê anistia para quem perdeu o prazo para recadastramento, que acabou em 2009. Essa medida demandaria alteração legislativa, o que só poderia ser feito por meio de lei. O que prevê o decreto é a renovação automática dos certificados de registro de arma de fogo expedidos pela Polícia Federal.

Fonte: Diário de Pernambuco

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Filtro de barro brasileiro é considerado o melhor do mundo, segundo estudo

Segundo pesquisas realizadas por cientistas norte-americanos, e publicadas no livro “The Drinking Water Book”, o tradicional filtro de barro dos brasileiros, é, provavelmente, o melhor sistema de purificação de água do mundo. As informações são do Jornal da Ciência.

Através de sua câmara de filtragem, feita de velas de cerâmica, ele é capaz de remover impurezas com eficiência, além de conter a presença de cloro, pesticidas, ferro, alumínio, chumbo e até mesmo um parasita causador da criptosporidiose.

Essa eficiência é resultante do processo de filtragem por gravidade, em que a água passa pelas velas e goteja lentamente para o reservatório inferior. Exatamente o que não acontece nos fluxos de torneiras ou em tubulação, já que a pressão é quem impulsiona o fluxo da água. Por isso, microrganismos e sedimentos acabam passando pelo sistema e se depositando nos copos. Além disso, as pesquisas também mostraram que os sistemas mais modernos de filtragem não são capazes de impedir a presença de elementos perigosos como o flúor e arsênico, por exemplo.

Contudo, há de se lembrar que a qualidade da água depende da manutenção do filtro, que precisa ser limpo e ter suas velas trocadas regularmente. E é essencial que produtos químicos ou de limpeza não sejam utilizados nesse processo. Além disso, é preciso tomar cuidado com os encanamentos, torneiras e caixas d’água da casa, a fim de garantir que a água colocada ali seja própria para consumo.

Fonte: 180graus

Calçadas inacessíveis poderão ser denunciadas através do Facebook

Alta, baixa, larga, estreita, lisa, com cerâmica ou chão batido. Em uma rápida caminhada pelas ruas, pode-se perceber que as calçadas de Fortaleza não seguem nenhum padrão. Por isso, o Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) vai inaugurar, na próxima quinta-feira (17), a partir das 9 horas, a página no Facebook “Calçada para todos”. A iniciativa tem a finalidade de receber denúncias da população sobre calçadas e vias públicas inacessíveis em Fortaleza.

A página já está disponível e pode ser acessada. O lançamento acontece durante uma audiência pública, promovida pelo Núcleo de Defesa da Pessoa com Deficiência e do Idoso (NUPID) e pelo Centro de Apoio Operacional da Cidadania (Caocidadania).

“Existe um padrão determinado pela legislação municipal, que estabelece como deve ser uma calçada. É o tipo de piso, é a altura do piso, o nivelamento, a largura. Além desses aspectos arquitetônicos, existe algo chamado ‘passeio público’. A calçada não pode ser ocupada por nenhum mobiliário urbano, ou seja, não pode ter nada que impeça a circulação”, explica, Eneas Romero, coordenador auxiliar do Caocidadania.

O MPCE explica que objetivo da audiência, que acontece na próxima quinta-feira, é verificar o andamento das políticas de acessibilidade das calçadas desenvolvidas pelo governo municipal de Fortaleza. 

Na audiência anterior, realizada em 20 de novembro, ficou definido que o MPCE recomendaria a diferentes órgãos da Prefeitura de Fortaleza “a realização de ações imediatas para facilitar o acesso de cidadãos idosos e com deficiência às ruas e calçadas da Capital, em especial, em corredores com maior intensidade de comércio e circulação de pessoas”, explica o Ministério.

Apesar da dificuldade de locomoção de alguns públicos, o promotor Eneas Romero considera que uma calçada inacessível é prejudicial para todo mundo. “Mas, uma mãe com uma criança de colo, um idoso que tem problema de locomoção por causa da idade (tem mais problemas)”. “Mas temos inúmeros casos de adultos, sem nenhum problema de saúde, que tropeçaram em calçadas inacessíveis”, complementa o magistrado 21ª Promotoria de Justiça Cível.

Convidados

Foram convidados para participar o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, as Secretarias Executivas Regionais, a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (SEUMA), a Secretaria Municipal de Infraestrutura de Fortaleza (SEINF), a Coordenadoria Estadual da Pessoa com Deficiência do Estado, a Coordenadoria Especial de Pessoa com Deficiência de Fortaleza (COPEDEF), o Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CEDEF), o Conselho Municipal de Diretos da Pessoa com Deficiência (COMDEFOR), a Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/CE), a Comissão dos Direitos da Pessoa Idosa da OAB/CE, o Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) e demais instituições e pessoas interessadas na questão.


Fonte: Diário do Nordeste

Homem invade shopping e mata ex-companheira em Maracanaú

Um homem invadiu um shopping em Maracanaú, na manhã desta terça-feira (15), e assassinou a ex-namorada e, em seguida se matou com um tiro. O caso aconteceu por volta de 10h30 e, segundo testemunhas, o movimento era intenso no shopping no momento do crime. Alighiery Oliveira trabalhava como terceirizado no 24º Distrito Policial e conseguiu uma arma na unidade para cometer o crime, segundo informações da Polícia Civil da cidade.

Segundo a Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), o atirador é Alighiery Silva de Oliveira, de 25 anos. Ele entrou na loja em que a vítima, identificada como Lidiane Gomes da Silva, 22 anos, trabalhava e efetuou os disparos.

Muitas pessoas estavam no shopping e presenciaram o crime. "Me escondi dentro de uma loja, foram uns três, quatro tiros e muitas pessoas fecharam as lojas. Depois de um tempo é que a gente saiu. O que a gente sabe é que ela é funcionária de uma loja do shopping e veio um homem, matou ela e depois se matou", disse o motorista Carlos Rodrigues, que estava próximo da loja.

Policiais isolaram a área
O local do crime foi isolado pela Polícia, que cobriu a vitrine da loja onde os corpos estavam. 

Em nota, o North Shopping Maracanaú informou que presta o suporte necessário para o esclarecimento do fato. "O estabelecimento transmite sua solidariedade aos familiares dos envolvidos e reforça que seguirá prestando todo o suporte necessário aos entes das vítimas". O shopping informou ainda que manteve o funcionamento normal nesta terça.

A Polícia Civil informou que equipes da Polícia Militar, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) foram acionadas para o local e deram início às investigações.

Fonte: Diário do Nordeste

Penaforte-CE: Emoção Marca a Missa de Despedida do Padre Joaquim da Paróquia de Nossa Senhora da Saúde

O padre Joaquim Cláudio celebrou na noite do último domingo 13/01, na Matriz de Nossa Senhora da Saúde em Penaforte-CE, missa de despedida. Ele que nos últimos três anos e seis meses esteve a frente da paróquia, Pe. Joaquim segue agora para a paróquia de São Vicente Ferrer em Lavras da Mangabeira-CE.

  Os fiéis lotaram a igreja e os arredores, demostrando gratidão ao Pe. Joaquim que com seu jeito simples e de uma grande humildade cativou a comunidade católica de Penaforte, que se engajaram nos movimentos paroquiais.

Era notório a emoção do Padre Joaquim estampada em seu rosto ao ver toda aquela multidão, e isso era apena o começo das grandes emoções que estavam por vir.

A última celebração do Pe. Joaquim, foi marcado por muitas emoções e homenagens, todas as pastorais e movimentos se organizaram e fizeram diversas homenagens, emocionando todos os que compareceram para dar o último adeus ao padre como pároco de Penaforte e emocionando também os que acompanhavam a transmissão pela página da paróquia.  

Ouvimos vários depoimentos de fiéis e todos foram unanimes em reconhecer o trabalho desenvolvido pelo Pe. Joaquim em pouco mais de três anos, principalmente em levar a palavra e os ensinamentos de Deus a todos, também se destacou em  ouvir os anseios das pessoas que muitas vezes precisavam de apenas um conselho, uma palavra amiga, uma oração e ele sempre procurava atender a todos os que o procurava de forma humilde e simples, também se destacou pela forma de reconhecimento de todos os que colaboravam com a paróquia, ficando conhecido em Penaforte por tratar todos iguais.

O padre Joaquim muito emocionado agradeceu a todos que colaboraram no decorrer de seu trabalho frente a paróquia de Nossa Senhora da Saúde, disse que queria permanecer mais tempo em Penaforte, ainda tinha projetos para realizar, mais vive a serviço da igreja e foi denominado para outra missão, pediu também que a comunidade católica de Penaforte acolham no próximo domingo 20/01 ás 09hs o Pe. Lindolfo Lindomar  da mesma forma que acolheu o padre Joaquim e também convidou para sua posse em Lavras da Mangabeira no próximo dia 27/01 ás 09hs. 

Os fiéis foram pegos de surpresa com o anuncio da transferência do padre no inicio de dezembro de 2018, muitas mensagens de tristezas e também de indignação pela transferência do padre tomou conta do dia-a-dia e das redes sociais.

Fotos: Mateus Freitas (PASCOM)







sábado, 12 de janeiro de 2019

Trilheiros da "6ª-Expedição Rally da Fé" são recebidos pelo Padre Joaquim, na igreja matriz de Nossa Senhora da Saúde em Penaforte-CE

De passagem por Penaforte os Trilheiros que participaram da "6ª-Expedição Rally da Fé", foram recepcionados pelo Padre Joaquim Claudio na manhã da última quinta-feira 10/01 na igreja matriz de Nossa Senhora da Saúde em Penaforte. Na igreja o padre Joaquim realizou um momento de adoração ao santíssimo, com os Trilheiros e familiares que estavam de passagem por Penaforte e  membros da Equipe Trilha Radical de Penaforte. 

Após o momento de orações, o Padre Joaquim homenageou com um quadro do Padre Cicero o líder do grupo, O senhor Benigno, que é devoto e romeiro do Padre Cicero, ele que participa de várias romarias para Juazeiro do Norte durante o ano com romeiros de Pernambuco e Alagoas, Benigno é natural de Canhotinho-PE, de onde partiu a "6ª-Expedição Rally da Fé".

Ao receber a homenagem Benigno muito emocionado, ao lado de familiares, falou sobre sua devoção ao Padre Cicero e a Mãe das Dores,  fez um resumo das romarias e dos sofrimentos enfrentados por ele para transportar os romeiros, desde o tempo em que transportava romeiros em caminhão pau de arara, posteriormente proibido o transporte de romeiros em caminhão, ele também relatou da sua luta para conseguir chegar em Juazeiro do Norte na última romaria em pau de arara, apesar da forte fiscalização conseguiu chegar a seu destino, através da interseção do padre Cicero e da Mãe da Dores junto a Deus.
Benigno encerrou falando que é amante de esportes off-road e tinha esse sonho de fazer uma romaria de moto por estradas vicinais e veredas até chegar em Juazeiro do Norte e em 2019 chega ao sexto de "Expedição Rally da Fé", Benigno agradeceu ao Padre Joaquim pelo momento dedicado a eles e também aos membros da Equipe Trilha Radical, pela surpresa.

Após a homenagem a Benigno, os demais Trilheiros e familiares receberam um pôster de Nossa Senhora da Saúde, padroeira de Penaforte.


A "6ª Expedição Rally da Fé" teve seu encerramento em juazeiro do Norte, na noite desta sexta-feira 11/01, após os Trilheiros percorrerem mais de mil quilômetros passando por várias cidades do Pernambuco e Algumas do Ceará. apesar de ser uma aventura-expedição voltada para a fé, também serve de passeio turístico, por onde a expedição passa, os Trilheiros procuram pontos  turísticos para registrarem, e também todo o percurso é registrado através de fotos e entrevista, feito pelo repórter Elinaldo Bezerra do programa "Mais Radical da TVPE" e também editor do site www.trilhamania.com .

Confira algumas fotos:





Fotos: Mateus Freitas (Pascom), Rede Sociais 

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Hot Sonakshi Sinha , Car Price in India